Este site é uma criação de D.S. Criações


 

-

 

NOME: Marcela Ferreira...

 

IDADE:20...

 

CIDADE:Ribeirão Preto...

 

ADORO:ouvir música,ficar com meus amigos, dormir,etc....

 

ODEIO:pessoas egoístas,falsas,e principalmente aquelas que vivem reclamando de tudo....

 

FRASE: "Lembrar é fácil pra quem tem memória, esquecer é difícil pra quem tem coração." ....

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MURAL

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 



- 12/12/2010 a 18/12/2010
- 05/12/2010 a 11/12/2010
- 17/10/2010 a 23/10/2010
- 10/10/2010 a 16/10/2010
- 03/10/2010 a 09/10/2010
- 26/09/2010 a 02/10/2010
- 19/09/2010 a 25/09/2010
- 12/09/2010 a 18/09/2010
- 05/09/2010 a 11/09/2010
- 29/08/2010 a 04/09/2010
- 22/08/2010 a 28/08/2010

 

 

 

 

 

 









 

 

 

 

 

 







Algumas frases de simplicidade ^^

"Simplicidade é a sofisticação máxima." (Leonardo da Vinci)


"Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho." (Clarice Lispector)


"No caráter, na conduta, no estilo, em todas as coisas, a simplicidade é a suprema virtude." (Henry Wadsworth Longfellow)

 

As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.

Fernando Pessoa

 





- Postado por: menina_anjinhah às 11h14
[ ] [ envie esta mensagem ]





O poeta e a lua


Em meio a um cristal de ecos
O poeta vai pela rua
Seus olhos verdes de éter
Abrem cavernas na lua.
A lua volta de flanco
Eriçada de luxúria
O poeta, aloucado e branco
Palpa as nádegas da lua.
Entre as esferas nitentes
Tremeluzem pêlos fulvos
O poeta, de olhar dormente
Entreabre o pente da lua.
Em frouxos de luz e água
Palpita a ferida crua
O poeta todo se lava
De palidez e doçura.
Ardente e desesperada
A lua vira em decúbito
A vinda lenta do espasmo
Aguça as pontas da lua.
O poeta afaga-lhe os braços
E o ventre que se menstrua
A lua se curva em arco
Num delírio de volúpia.
O gozo aumenta de súbito
Em frêmitos que perduram
A lua vira o outro quarto
E fica de frente, nua.
O orgasmo desce do espaço
Desfeito em estrelas e nuvens
Nos ventos do mar perspassa
Um salso cheiro de lua
E a lua, no êxtase, cresce
Se dilata e alteia e estua
O poeta se deixa em prece
Ante a beleza da lua.
Depois a lua adormece
E míngua e se apazigua...
O poeta desaparece
Envolto em cantos e plumas
Enquanto a noite enlouquece
No seu claustro de ciúmes.


Vinicius de Moraes




- Postado por: menina_anjinhah às 11h38
[ ] [ envie esta mensagem ]